06/06/2016

Resenha Literária | A Intrusa

Título: A Intrusa (capa da nova edição)
Autora: Júlia Lopes de Almeida
Editora: Pedrazul editora
Número de páginas: 232 (li em pdf, com 104 páginas)
Sinopse: 
Um clássico nacional à moda europeia! A história de uma jovem governanta chamada Alice Galba.
O século XIX caminhava para o fim, o Rio de Janeiro vivia o auge da cultura cosmopolita, a Belle Époque, marcada por profundas transformações culturais que se traduziam em novos modos de pensar e de viver o cotidiano. Em meio à aristocracia carioca, um rico advogado – viúvo, mas ainda jovem e atraente – era perseguido por mães casamenteiras que desejavam ter um genro abastado e influente. Porém, ele se esquivava resoluto, pois prometera à esposa, no leito de morte, manter sua viuvez. O casamento com a filha de um barão resultou em um fruto: uma garotinha mimada e sem modos, criada pelos avós maternos, cuja avó baronesa fazia-lhe todas as vontades. Infeliz pela má educação da menina, ludibriado por um escravo que usava as suas roupas, fumava os seus charutos, bebia fartamente da adega e ainda inflacionava as contas da casa, ele decide contratar uma governanta. Desconsiderando todas as críticas feitas pelos amigos e pela sogra ciumenta, ele pede ajuda ao padre Assunção, seu amigo de infância, e publica um anúncio num jornal à procura de uma governanta. Atendendo ao anúncio, aparece Alice Galba, que aceita a estranha condição: que o patrão jamais a visse. Quando ele entrava pelo portão, ela se escondia. Dela ele apenas sentia o perfume e sua boa influência no lar e na educação da filha. Suas roupas agora estavam impecáveis, a mesa sempre bem posta e arranjada com esmero, a comida saborosa, os móveis reformados, de forma que começou a desejar ardentemente voltar para sua (agora agradável) moradia. Vez ou outra encontrava um livro aberto, esquecido sobre uma poltrona e, com o passar dos meses, passou a notar a doce presença da alma da moça pelos cômodos do casarão. Alma cujo rosto ele já ansiava ver!
Ooi. gente! Logo que li a sinopse desse livro, não pude resistir e logo procurei mais sobre, acabando por achar em pdf. Além de ser um romance de época que se passa no Brasil, traz reflexões muito profundas sobre o egoísmo do ser humano e de seus preconceitos, junto com mais coisinhas que falo para vocês na resenha. Li rapidinho e bom, vamos logo, não é? rs

Resenha

As apresentações do livro: Argemiro fizera uma promessa que nunca poderia quebrar, pois haviam testemunhas, e nada mais do que os próprios pais da falecida para presenciar seu juramento, certo? Solitário e cansado de ser enganado pelo seu "criado", decide de uma vez por todas arrumar uma governanta para dar um jeito na sua casa e enfim, ensinar bons modos para sua única filha, Maria da Glória, que aos onze anos aprontava mais que tudo, além de não gostar de estudar. Criada pelos avós maternos, a proteção da avó, Luiza, que é muito ciumenta e que só faz julgar os outros, chega a sufocar a própria neta, mimando-a com seu amor e não sabendo exatamente como tirar os costumes preguiçosos da neta, que vive fugindo das aulas que tem com o avô. Quando Argemiro pede conselhos ao padre Assunção, para dar uma luz se devia ou não contratar uma governanta e fazer isso colocando no jornal, o amigo dá conselhos sobre, de início não gostando da ideia, e o advogado ignorou os comentários nada construtivos dos colegas que achavam a atitude errada, dizendo que mulheres que aceitam um trabalho por meio de um anúncio não são confiáveis. 
Com a coragem batendo à porta, o homem anuncia nos jornais que está na procura de uma governanta, colocando os devidos requezitos. Eis que uma visita o surpreende, e então surge a personagem mais incrível de todo o livro: Alice Galba. Com suas roupas velhas e usando botinas esfoladas, Alice não agrada muito Argemiro, que logo que ela senta-se começam as perguntas. Alice é tímida, reservada e não falou muito sobre sua família, apenas informando que perdera o pai e que aquele seria seu primeiro emprego. De cara a personagem me conquistou e eu sabia que muitas surpresas viriam.
"Nem quero vê-la, mas sentir-lhe apenas a influência na casa. É a minha primeira condição."
Uma condição que ele deixa claro para ela: nunca poderiam se encontrar. Ela teria noção dos horários em que ele estaria na casa e ela deveria evitar ao máximo ficar no mesmo local que ele, e isso realmente aconteceu. De início ele não queria contratá-la, mas depois decidiu mudar de ideia, e numa visita ao palacete onde seus sogros e sua filha vivem, Argemiro confessa ter colocado um anúncio no jornal para poder contratar uma governanta, e claro que sua sogra (que chama de mamãe para aliviar a dor que ela sente pela morte da filha, Maria) discorda completamente da ideia de ter uma governanta na casa do viúvo, ainda mais por ser uma desconhecida! Não queria que essa mulher sequer falasse com sua neta, que ouvindo um pouco das conversas, decretou que não iria gostar da governanta, achando que Alice iria tomar o lugar de sua mãe, porém, isso logo muda quando a menina conhece a tímida e humilde mulher, que mesmo com as patadas de Glória, ela não desistiu e acabou conquistando o coração da menina, o que trouxe mais ódio por parte da avó, que queria porque queria descobrir um podre da moça para poder expulsá-la da casa da "sua filha" e fazer com que Argemiro visse o erro que cometeu ao contratá-la. 
Bom, se eu me irritei diversas vezes com Luiza, a sogra ciumenta e egoísta? Se eu me irritei diversas vezes por conta de uma personagem que queria empurrar a filha para cima do Argemiro? Se eu gostei de algumas das atitudes de Assunção? Se eu chorei ao descobrir o passado e presente de Alice? Sim, a resposta é sim. 
"O advogado levantou os olhos e viu entrar na sala uma figura meio encolhida, que lhe pareceu ter um ombro mais alto que o outro e cujas feições não viu, porque vinham cobertas com um véu bordado e ficavam contra a claridade.
– Tenha a bondade de sentar-se... permita-me mais um momento e prestar-lhe-ei toda a atenção..."
Todos os personagens são muito bem construídos. Argemiro se via preso na promessa que fizera no leito de morte da esposa (que também era ciumenta!), se via culpado por um dia pensar em nutrir sentimentos por outra mulher, mas com a chegada de Alice e de seu jeito meigo e doce, ele não poderia resistir ao inevitável. O que mais achei interessante nesse romance, é o fato de os personagens nunca terem se encontrado, realmente. Tudo bem que ele a viu para poder contratá-la, mas ela usava um véu e depois daquele dia, ele só sentia a presença dela, o seu cheiro, as mudanças que aconteciam ao redor de sua casa, lugar que ele encontrava paz, isso depois da chegada da moça. Agora ele se sentia mais feliz, não se sentia solitário! Mesmo repetindo diversas vezes que não estava interessado por ela e que a sogra não precisava se preocupar com o risco dele quebrar sua promessa, ele não conseguia parar de pensar nas coisas que Alice fazia, tendo um desejo desesperador de poder olhá-la de verdade. Além de que ele podia notar, nitidamente, o comportamento de sua filha mudando aos poucos, tornando-se mais consciente, mais educada e tomando gosto em ajudar aos outros, tudo isso por causa da influência de Alice.
Um personagem que me fez querer entrar no livro e dar um forte abraço fora o sogro de Argemiro, que dizia boas verdades na cara da esposa, que é uma egoísta e que vive no passado, lamentando a morte da filha, parando de viver! Ele é uma peça importante para uma situação que ocorre, e eu gostei muito da atitude dele.
  "– Hein?! toda a gente diz que já pareço uma moça! É míope?
– Parece criança no juízo, minha amiguinha, e é por eu ver muito bem que lhe digo isto... Não seja má... venha lavar as mãos; seu pai espera-a para jantar; não está ouvindo o tímpano? É o sinal..."
Ah, Feliciano é um personagem venenoso, que se odeia também por ser negro. Ele fora o real pivô de toda a raiva que a sogra de Argemiro sentia por Alice. Despeitado, com inveja pelos elogios que a moça recebia por seu ótimo trabalho (além de ela ser branca), ele inventa um monte de mentiras que me fez querer socá-lo, sério. 
A narrativa é em terceira pessoa, então podemos conhecer os pensamentos de alguns personagens mais importantes, como a sogra egoísta e também a mulher que queria empurrar a filha para cima de Argemiro, sabendo que a filha não o amava e que queria ser amada. Almeida soube como conduzir sua história muito bem, algumas partes são cansativas por não terem tanta relevância para mim, já que assuntos políticos não me atraem muito, mas no geral, a sua narrativa com diálogos interessantes me deixou bem empolgada e ansiosa, eu me agradei muito com esse primeiro contato. Gostaria que ela estivesse viva para poder escrever uma continuação e de preferência com mais dos pensamentos de Alice, que por mais que a gente saiba que é uma mulher incrível, ficamos com aquela vontade de conhecê-la melhor, entende?
Uma história que traz a reflexão sobre o egoísmo, ciúme doentio, pressão, amizade, amor, escolhas e o preconceito. O que mais me deixou com um sorriso no rosto, fora o desenvolvimento desse amor, que não fora de um dia para a noite, mas sim que durou um tempo para acontecer mesmo, mais ainda: que os personagens não se encontravam pessoalmente, mas que mesmo assim se apaixonaram por conta das atitudes um do outro. Alice conquistou Argemiro por conta de suas atitudes com seu trabalho e postura, e Argemiro conquistou Alice por conta de tudo que ele fazia pela filha e outras coisas mais, mesmo ficando magoada por conta de algumas palavras que secretamente escutara (e achando que seu amor seria impossível e nunca retribuído), ela não deixou de amá-lo. 
 "E aspirava num deleite o aroma que vinha dela, aquele cheiro de cidrilha, de malva, ou flor de fruta e que constituía já uma das suas necessidades." 
Sobre a diagramação: como li em formato digital, não tenho muito do que dizer; mas em geral não tem muitos erros de revisão!
Espero que tenham gostado da resenha e que não deixem de conhecer a obra, vale a pena a leitura! Já quero o livro físico na minha estante :3
Beeijos. 
   "Alice levantou com espanto os olhos para Argemiro; ele fixou-os com ternura. Estremeceram ambos."

Um pouco sobre Júlia Lopes de Almeida:
Júlia Valentim da Silveira Lopes de Almeida (Rio de Janeiro, 24 de setembro de 1862 — Rio de Janeiro, 30 de maio de 1934) foi uma escritora e abolicionista brasileira.

Compre o livro na editora Pedrazul: Aqui


35 comentários

  1. Parabéns pela sua resenha, ficou muito boa *-*

    ResponderExcluir
  2. Oi Ruhh!
    Caramba, que livro diferente D: Eu não sou muito adepto aos romances de epoca não, mas esse me deixou curioso, não só pela personagem, pela história em si. Não conhecia a autora e menos ainda a obra, mas vou procurar saber mais, quem sabe essa não seja minha chance de conhecer esse mundo histórico? Achei a capa interessante, mas fiquei curioso para saber se dentro do livro tem algum detalhe na edição?

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, David!
      Fico contente que tenha gostado :D Então, eu espero que você leia e que goste tanto quanto eu, é um livro bem interessante. Eu não o tenho em físico, por isso não sei responder sua pergunta ;)
      Abraços!

      Excluir
  3. Nossa não conhecia o livro e muito menos a história, mas gostei bastante da premissa, com toda certeza ira para a lista, parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Kah!
      Obrigada e espero que goste ^-^

      Excluir
  4. Estou louca para ler esse livro, mas nao tenho a sua coragem de ler em ebook... ate pq meus olhos nao permitem muitas estripulias como essa e ja abusei bem deles ultimamente com esse tipo de leitura. Desde que a Pedrazul anunciou o lançamento estou babando, espero poder ler em parceria com eles, caso não aconteça compro no meu aniversario.. kkkkkk.. uma coisa e certa... ja quero muito muito mesmo, cair de cabeça nessa historia.

    Raissa Nantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Raissa!
      Entendo hahaha Mas, pretendo comprar o físico <3 Eu confesso que não conhecia a editora, mas já estou apaixonada por ela!
      Beeijos e caia mesmo ;)

      Excluir
  5. Oiii Ruhh, tudo bem?
    Infelizmente dessa vez a leitura não me agradou muito,não sou acostumada a ler obras assim porque realmente não despertam meu interesse, sua resenha ficou incrível.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Morgana! Tudo sim, e você?
      Ah, que pena :/ Espero que possa lê-lo um dia.
      Bjs

      Excluir
  6. Olá
    Quando li a sinopse desse livro em uma postagem de divulgação achei bem interessante porque me lembrou um romance de época 'rodado' no Brasil, mas vendo sua resenha vi que a autora viveu esse período. Achei nem interessante a premissa, só fiquei com uma dúvida, a linguagem, ela é mais moderna ou tem aqueles trejeitos mais truncados da escrita da época?
    Estou pensando em colocar esse livro na minha lista de leituras.
    Beijos

    www.poyozodance.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi!
      Não, a linguagem não é moderna, ainda existem aquelas palavras que são bem arcaicas e que precisamos dar uma pesquisada, porém, nada que não pudéssemos compreender, entende?
      Espero que coloque, é muito bom!
      Beeijos

      Excluir
  7. Eu estou começando agora a dar chances para romances de época, e estou gostando. Adorei sua resenha, a temática do livro e principalmente porque ele se passa aqui no Brasil, pois nunca tinha visto livros que retratassem o Brasil antigo com um romance. Fiquei super curiosa para lê-lo. Beijos.

    Treslivrolatras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi!
      Obrigada ^-^
      Espero que possa lê-lo em breve, acho que vai gostar ;)
      Bjs

      Excluir
  8. OI, Ruhh
    Estou doida para ler esse livro e amei sua resenha.
    Adoro quando alguma história de amor me deixa com um sorriso bobo.
    Adorei saber também que tem todas essas reflexões e que os diálogos te agradam.
    Com certeza estou ainda mais curiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Letícia!
      Obrigada, fico feliz que tenha gostado ^-^
      Leia, você vai gostar, é tudo que digo hahaha
      Bjs

      Excluir
  9. Oioi! Tudo bem?
    Não conhecia o livro "A Intrusa", achei a capa bem interessante e ao ler mais na resenha, fiquei curiosa com o resto da história.
    Achei mto bom abordar varios temas como ciumes, amor, amizades...
    Gostei mto da dica.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi :D Tudo sim, e você?
      Espero que leia, viu? Beeijos

      Excluir
  10. Oi Ruhh!
    Nossa, eu estava procurando resenhas desse livro e esbarrei aqui..
    Adorei!! Se eu já queria antes, agora então, nem se fala.
    beijoooooooooooooooooooooos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Flávia!
      Aêê, que massa \o/ Fico feliz que tenha gostado e que leia, vai gostar!
      Bjs

      Excluir
  11. Nossa, que livro bacana! Eu não conhecia e achei super interessante, ainda mais quando citou Rio de Janeiro e Belle Époque. Foi o que me prendeu a devorar sua bela resenha. Amei a dica, super obrigada. Já quero conhecer! :)
    Bjks
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Bianca! É um livro bem interessante, principalmente para quem gosta de fatos históricos :D
      Obrigada <3
      Beeijos

      Excluir
  12. Oi,
    Eu não conhecia o livro, mas achei bem legal a premissa. Amo livros nesse gênero, sou apaixonada!!
    Bom saber que o livro te agradou e os diálogos são ótimos.
    Vou anotar na minha lista, obrigada pela dica.
    beijos

    ResponderExcluir
  13. poxa!!! não conhecia esse livro e sabe que eu gostei???? apesar de não ser muito fã do estilo, vou anotar a dica pois achei super interessante!!!!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Denise! Obrigada pelo comentário.
      Anota sim! ;)
      Bjs

      Excluir
  14. Oie
    não é meu estilo de leitura favorito mas bem legal a dica para quem curte e vou ver se leio mais sobre e quem sabe dou uma chance

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Olá flor...que capa é essa? Fiquei encantada. Adorei a resenha, não conhecia a obra e agora tenho uma ótima dica de leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey!
      Não é maravilhosa? Também fiquei <3
      Obrigada ^-^
      Bjs

      Excluir
  16. Olá Ruhh!!!
    O livro já me ganhou pela premissa e assim que li ela já procurei ao menos para baixar e lê-lo em pdf no meu PC.
    Sua resenha está tão completa que não tenho nem o que falar.
    Fico imaginando como foi essa situação toda dos protagonistas de não se verem e mesmo assim se apaixonarem pelos pequenos gestos?

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá ^-^
      Espero que já tenha lido e que tenha gostado :D
      Muito obrigada <3 Eu achei até engraçada, mas a situação é bem "revoltante" do porquê dele pedir isso para ela.
      Beijos

      Excluir
  17. Oi, Ruhh, quanto tempo! Tudo bom?
    Ao romances históricos, e a sua resenha esta magnifica. Adorei!
    Já vou adicioná-lo na minha lista de compras kkkk.

    Bjux;)
    entrelinhasalways.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooi, Aline! Tempo mesmo hahaha Ah, amei o seu layout novo ;)
      Tudo sim, e você?
      Obrigada ^-^ Coloca mesmo!
      Beeijos

      Excluir
  18. Estou doidinha para ler esse livro desde que comecei a ouvir falar sobre o seu lançamento. Amo romances de época, e esse ainda é nacional, de uma autora que nunca li. Adorei ler a sua resenha sobre a obra, e fiquei com mais vontade ainda de fazer essa leitura.

    Tatiana

    ResponderExcluir

Que tal deixar a sua opinião registrada aqui no blog?! Nós ficamos muito felizes por saber o que você pensa e pela sua visita.
Por favor, nada de comentários não construtivos e desrespeitosos :D
Deus te abençoe e volte sempre que quiser!
Comentários passam por moderação e são sempre respondidos! Caso queira ver a resposta, ative a notificação ^-^